segunda-feira, 30 de novembro de 2009



Não seria bem uma mochila... seria mais o camião do pai da Ana Vale mas dá na mesma... LOOOL

sábado, 21 de novembro de 2009

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo.

Morre lentamente quem destrói o seu amor proprio, quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajecto, quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor, ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru.
Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o negro sobre o branco, e os pontos sobre os iss em detrimento de um redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho nos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente, quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva que cai incessante.
Morre lentamente quem abandona um projecto antes de iniciá-lo , não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.


Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples facto de respirar.

Pablo Neruda

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

De rua... pra Avenida


E aqui está algo que me faz sentir velha... eu adorava tanto a rua sésamo, com o Vitor Norte e a Alexandra Lencastre com menos 100 anos... Tantas coleções de cromos e livros da Rua Sésamo.
Isto sim eram desenhos animados educativos que faziam crianças como eu muito felizes.
Muitos Parabéns Rua Sésamo!!

Apontamentos, apontamentos e mais apontamentos.....

domingo, 8 de novembro de 2009

"Sometimes sanity takes vacation time on me"

terça-feira, 3 de novembro de 2009

"E eu... e tu..,
Perdidos e sós,
Amantes distantes,
Que nunca caiam as pontes entre nós."